Mc Tocha é a bola da vez do brega após sucesso de Troinha e Dadá Boladão

MC Tocha é a bola da vez do brega após sucesso de Troinha e Dadá Boladão.

Autor de um dos hits de Troia (Bumbum no ar), ele trocou a carreira de jogador de futebol no Santa Cruz pela música

O futebol e a música são duas paixões na vida de Emerson da Silva Ferreira, de 24 anos, conhecido como MC Tocha, que, junto com MC Troinha, Dadá Boladão, MC Metal e Sheldon, representa o brega-funk recifense e se projeta para além do cenário local. Depois de cinco anos como meio-campo do Santa Cruz, Tocha deixou o clube após uma contusão e abraçou a carreira musical. Sou pagodeiro, mas o brega foi o ritmo que me abriu portas e quero levar a minha música para o país inteiro", afirma o artista em entrevista ao Viver.

Apesar da "queda" por pagode, Tocha encara o brega como uma profissão e não se coloca em patamar inferior ao de outros artistas. "Estamos vivendo o melhor momento do brega-funk. Quando comecei, observava os artistas de nível nacional. Além do preconceito, a turma coloca muita dificuldade, mas acredito que todos têm capacidade. Sou músico como qualquer outro e, quem sabe, não chego lá?", indaga.

O primeiro contato com a música foi na banda dos primos, Jovens do Samba, na qual o irmão tocava cavaquinho. A facilidade de compor a partir de temas do cotidiano chamou a atenção dos empresários. "Como não sei tocar instrumento de corda, faço música batendo na perna. Isso surpreende as pessoas, que dizem que é um dom. A música que faço, consigo encaixar em qualquer ritmo", explica o cantor, morador de Jardim Piedade, em Jaboatão dos Guararapes. Na gaveta, ele guarda letras românticas e até pensa em fazer um projeto voltado para o ritmo.

A projeção no cenário brega se concretizou a partir da dupla Tocha e Dadá, parceria que manteve de 2010 até o ano passado. Desde 2016, o MC se concentra em construir a carreira solo. Tocha trabalha com estratégia de divulgação voltada para as redes sociais, que inclui a produção de clipes e canções em parceria com artistas de outros ritmos. Ele é autor de um dos maiores sucessos de MC Troinha, Bumbum no ar (faixa com 8 milhões de acessos no YouTube) e acompanhou o crescimento do ritmo. Ainda estão no repertório faixas como Fogosa, Devassa, Potranca, Vagabunda e Assanhadinha.


PROJEÇÃO

Artistas do forró têm sido aliados na divulgação do brega-funk, dando visibilidade à produção dos MCs pernambucanos. A exemplos, as músicas Balança, balança e Vai descendo, de Troinha, que foram gravadas por Aviões do Forró, Márcia Fellipe e Gabriel Diniz, e Revoltada, de Dadá Boladão, gravada por Solange Aviões e Ivete Sangalo. Com Tocha não tem sido diferente. Os clipes mais recentes são Joelhinho cabeça, com participação da banda Kaçamba (MG), e Paralisou, com Márcia Fellipe. Ele também assina as letras de Faz as meninas descer (participação de Dan Ventura), Colinho (repertório de Jonas Esticado) e Eu te amo (Lipinho Dantas).

Dono de um estilo próprio, Tocha escolhe os figurinos inspirados em nomes internacionais como Chris Brown e Drake. "Uso o que gosto, mesmo que alguém diga que está feio. Não quero saber da opinião de ninguém", aponta. "Tem que ter estilo e chamar a atenção. Tudo que a gente veste, as roupas, óculos, tatuagens e cabelo, os fãs querem fazer igual". O apelido da adolescência surgiu quando ele apareceu na escola com o cabelo vermelho e o chamaram de 'tocha humana'. "Não adianta, quanto mais você se incomoda, mais o apelido pega", relembra o cantor. Para o mês de junho, o artista preparou show com novo repertório e fará apresentações acompanhado pelo "Balé do Tocha", composto por Gilmar Junior, Anny Miranda, Bianca Machado e Junior Santos.


Assista ao clipe de Paralisou, com Márcia Fellipe e MC Tocha:


Fonte da Noticia : Marina Simões - Diario de Pernambuco